Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2018

A nossa família: Qual é o seu papel na construção da identidade na infância?

Única e insubstituível, a Família é o primeiro lugar onde a criança aprende a relacionar-se com os outros, a partilhar, a amar e a sentir-se amada. O primeiro lugar onde aprende limites, respeitando o outro e o seu espaço mas também onde aprende a respeitar-se a si própria.
No longo processo que é a identidade, que surge a partir do momento em que é dado à criança o seu nome tornando-a única, a família apresenta-se como protagonista nos primeiros anos de vida da criança, pois é esta que ensina valores e regras sociais, onde a criança busca inspiração e na qual se baseia para percorrer e construir o seu percurso ao longo da sua vida.

Podemos, assim, apelidar a família de primeiro grupo de referência e socialização. São aprendidos comportamentos, hábitos, atitudes e conceitos e modos de se relacionar, os quais a criança irá replicar nas suas interacções futuras enquanto adolescente e adulto.

A criança, na sua interacção com os diferentes elementos da família, passa por um processo d…

A Crítica e o Elogio na nossa vida: parte I – a Crítica

Tanto o elogio como a crítica têm um papel importante nas nossas relações, papéis e actividades diárias. Porém, muitas pessoas não usam estes comportamentos de forma flexível e ajustada ao momento presente. Muitas delas, não tiveram modelos parentais que lhes ensinassem a elogiar e a criticar de forma saudável e promotora do crescimento. Este primeiro texto assenta sobre o poder da crítica e o seguinte será sobre o elogio.

A crítica, em demasia, tem uma influência negativa no desenvolvimento e manutenção da auto-estima. Tornamo-nos híper conscientes a respeito dos nossos supostos “defeitos”, incapacidades e limitações. Esta perspectiva tende a prejudicar quem somos, como nos relacionamos com os outros e que fazemos. Física e psicologicamente, temos a sensação que não somos bons o suficiente. Que somos diferentes. Que somos menos do que os outros. E se pensar na minha prática clínica, a crítica exagerada pode contribuir para pessoas ansiosas, depressivas, com perturbações alimentares…