Avançar para o conteúdo principal

A pressão dos pares


A pressão de pares ou pressão social diz respeito à influência exercida por um conjunto de indivíduos (ou apenas um), em que se incentiva uma pessoa a mudar os seus comportamentos e/ou atitudes para estar em conformidade com um grupo. Ou seja, é sentido que se deve fazer exatamente o mesmo que os(as) amigos(as) para que possa pertencer-se ao grupo. Os(As) outros(as) coagem-nos ou obrigam-nos a fazer alguma coisa que usualmente não praticamos ou, contrariamente, impelem-nos a deixar de fazer algo que fazemos habitualmente.

Pensar em pressão de pares leva-nos, habitualmente, a uma ideia negativa de ação, mas também pode ser positiva quando refletimos, por exemplo, na possibilidade de intervenção de pessoas para motivar um estudante a melhorar as notas escolares. Se um grupo exibir um determinado comportamento, a probabilidade é imensa dos outros membros adotarem essa conduta.

Pressão social positiva pode ser:
- Quando é possível ser tão bom estudante quanto os(as) amigos(as);
- Um grupo de pessoas conduzem à promoção de ações de solidariedade;
- Quando o(a) adolescente decide inscrever-se numa atividade desportiva porque a maioria dos (as) amigos(as) praticam um desporto e convencem o(a) outro(a) a fazer parte desse grupo.

Pressão social negativa pode ser:
- Começar a fumar ou beber álcool porque os(as) amigos(as) também apresentam esse comportamento e influenciam a agir do mesmo modo;
- Faltar às aulas porque para a integração num grupo deve ser reproduzida essa atitude;
- Praticar um furto ou outro crime para agir de acordo com as pessoas do grupo;
- Ter relações sexuais mesmo que o(a) adolescente não se sinta preparado(a) emocionalmente, mas todos(as) que o(a) acompanham socialmente já passaram por essa experiência.

Na adolescência, há uma necessidade crescente de pertencer a um grupo onde poder-se-á encontrar uniformidade. A pertença a um grupo de pares é essencial para o desenvolvimento saudável da identidade na adolescência. Os grupos de pares concedem aos(às) adolescentes a exploração de interesses e ideologias para, posteriormente, poderem testar a competência de construir relacionamentos íntimos e abandonar a dependência psicológica dos/as pais/mães. A pressão social negativa é especialmente difícil de resistir nesta fase de desenvolvimento. Porquê?
- Quer fazer-se parte do grupo;
- Quer ser-se aceite e agradar aos(às) outros(as);
- Não se querer ser rejeitado(a) ou excluído(a);
- Por vezes, obrigam ou convencem o(a) adolescente;
- Quando se age em conformidade com o grupo, recebe-se elogios.

Às vezes, não se quer fazer igual, mas julga-se que se perde mais se não se manifestarem as mesmas atitudes ou reproduzirmos os mesmos comportamentos. Como é que se pode lidar com a pressão dos pares?
- Quem é amigo(a) verdadeiro(a) nunca vai obrigar a fazer algo com o qual não se está de acordo;
- Não é necessário ser igual aos(às) outros(as);
- Pensar sempre nas consequências dos comportamentos, o que pode acontecer se agirmos do mesmo modo daqueles que nos pressionam a exercer uma determinada atitude.

É essencial levar o(a) adolescente a pensar que a tomada de decisão é apenas dele(a), que pode sempre dizer não, que pode pensar/refletir para que o tempo o(a) possa ajudar a clarear o pensamento e, assim, decidir conscientemente.
http://www.psinove.com/a-equipa/sandra-helena
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para onde vão os nossos silêncios quando deixamos de dizer aquilo que sentimos?

Os silêncios podem ter várias razões, podem servir para diversas ocasiões e, ainda, podem ter distintos significados. Em termos sociais, os silêncios são identificados como algo negativo, desconfortável, embaraçoso ou, ainda, desenquadrado.
Mas, todos eles têm uma razão de ser, que pode significar uma resposta externa ou interna ao meio, projetando o silêncio. Alguns são potenciados pelas nossas emoções, outros pela ausência delas e, outros mesmo, pela combinação dos dois. Dependerá, sempre, da forma como encaramos as situações e do impacto que as mesmas têm em nós. A forma como as nossas emoções forem tocadas dará sequência às diversas respostas que podemos dar.
Seja como for, os silêncios, quando deixamos de dizer aquilo que sentimos, vão para um lugar mais profundo, dentro de nós, onde se acumulam com outros silêncios de outros sentimentos e emoções guardados e, por isso, não vividos. Aqui, o seu significado é escondido, até que a necessidade de bem-estar invoque a resolução do senti…

As birras dos adultos

Quando pensamos na palavra birra, surgem-nos à mente reacções ou comportamentos exagerados, fora de contexto ou irracionais e que tendem a ser causados por um capricho pessoal, frustração ou contrariedade. São, afinal, comportamentos que tendem a quebrar a harmonia nas relações e são uma potencial fonte de problemas, se não forem bem geridos. Claro que uma birra todos podemos fazer, uma vez ou outra vez. Desde que seja apenas isso.

Associamos birras às crianças, é inevitável! A grande questão é que nós, adultos, também as fazemos e frequentemente. Neste texto, procuro explorar as birras nos adultos: o que as causa, de que forma se manifestam e o que temos a fazer nestes casos.

O primeiro passo é reconhecermos que as fazemos e quando as fazemos. Perante o outro mas, mais do que tudo, perante nós próprios. Dentro do conceito de birra, surgem tantas vezes comportamentos que nos levam a responsabilizar as outras pessoas e factores externos para comportamentos menos adequados (ou com pi…

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…