Avançar para o conteúdo principal

A pressão dos pares


A pressão de pares ou pressão social diz respeito à influência exercida por um conjunto de indivíduos (ou apenas um), em que se incentiva uma pessoa a mudar os seus comportamentos e/ou atitudes para estar em conformidade com um grupo. Ou seja, é sentido que se deve fazer exatamente o mesmo que os(as) amigos(as) para que possa pertencer-se ao grupo. Os(As) outros(as) coagem-nos ou obrigam-nos a fazer alguma coisa que usualmente não praticamos ou, contrariamente, impelem-nos a deixar de fazer algo que fazemos habitualmente.

Pensar em pressão de pares leva-nos, habitualmente, a uma ideia negativa de ação, mas também pode ser positiva quando refletimos, por exemplo, na possibilidade de intervenção de pessoas para motivar um estudante a melhorar as notas escolares. Se um grupo exibir um determinado comportamento, a probabilidade é imensa dos outros membros adotarem essa conduta.

Pressão social positiva pode ser:
- Quando é possível ser tão bom estudante quanto os(as) amigos(as);
- Um grupo de pessoas conduzem à promoção de ações de solidariedade;
- Quando o(a) adolescente decide inscrever-se numa atividade desportiva porque a maioria dos (as) amigos(as) praticam um desporto e convencem o(a) outro(a) a fazer parte desse grupo.

Pressão social negativa pode ser:
- Começar a fumar ou beber álcool porque os(as) amigos(as) também apresentam esse comportamento e influenciam a agir do mesmo modo;
- Faltar às aulas porque para a integração num grupo deve ser reproduzida essa atitude;
- Praticar um furto ou outro crime para agir de acordo com as pessoas do grupo;
- Ter relações sexuais mesmo que o(a) adolescente não se sinta preparado(a) emocionalmente, mas todos(as) que o(a) acompanham socialmente já passaram por essa experiência.

Na adolescência, há uma necessidade crescente de pertencer a um grupo onde poder-se-á encontrar uniformidade. A pertença a um grupo de pares é essencial para o desenvolvimento saudável da identidade na adolescência. Os grupos de pares concedem aos(às) adolescentes a exploração de interesses e ideologias para, posteriormente, poderem testar a competência de construir relacionamentos íntimos e abandonar a dependência psicológica dos/as pais/mães. A pressão social negativa é especialmente difícil de resistir nesta fase de desenvolvimento. Porquê?
- Quer fazer-se parte do grupo;
- Quer ser-se aceite e agradar aos(às) outros(as);
- Não se querer ser rejeitado(a) ou excluído(a);
- Por vezes, obrigam ou convencem o(a) adolescente;
- Quando se age em conformidade com o grupo, recebe-se elogios.

Às vezes, não se quer fazer igual, mas julga-se que se perde mais se não se manifestarem as mesmas atitudes ou reproduzirmos os mesmos comportamentos. Como é que se pode lidar com a pressão dos pares?
- Quem é amigo(a) verdadeiro(a) nunca vai obrigar a fazer algo com o qual não se está de acordo;
- Não é necessário ser igual aos(às) outros(as);
- Pensar sempre nas consequências dos comportamentos, o que pode acontecer se agirmos do mesmo modo daqueles que nos pressionam a exercer uma determinada atitude.

É essencial levar o(a) adolescente a pensar que a tomada de decisão é apenas dele(a), que pode sempre dizer não, que pode pensar/refletir para que o tempo o(a) possa ajudar a clarear o pensamento e, assim, decidir conscientemente.
http://www.psinove.com/a-equipa/sandra-helena
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…

O poder da música

Música é emoção. E emoção é vida. A música faz parte integrante da nossa vida e acompanha grande parte das nossas memórias e vivências mais relevantes. Ela mexe tanto com as nossas emoções: desde o primeiro beijo àquele momento tão difícil. A sua capacidade de influenciar a nossa mente e o nosso corpo é imensa e tem sido entusiasticamente estudada. A título de exemplo, a música tem a capacidade de contribuir para baixar o stress, a depressão e até de promover interação social. A de qualidade, preferencialmente!
Os dias frenéticos que vivemos aceleram-nos de tal forma que não conseguimos parar, levando a que a hormona adrenalina (que nos prepara para lidar com perigos e desafios através do incremento de oxigénio nos músculos, do sangue para o coração e pulmões e que liberta glucose extra no organismo) e a cortisona (hormona que vai amplificar os efeitos da adrenalina, aumentando o açúcar no sangue e concentrando a energia, por exemplo, nos braços e pernas) disparam, colocando-nos no mod…

Depressão, "O Cancro da Tristeza*"

Portugal é o país europeu e o segundo do mundo com maior taxa de depressão na ordem dos 25%. Vários estudos afirmam que em 2020, a depressão será a 2ª causa de morte logo a seguir das patologias cardíacas. Um estudo recente publicado na revista Atheroscleroses chega mesmo a estabelecer uma nova ligação entre depressão e as patologias cardíacas, afirmando que o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, podendo mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão. Dois terços das pessoas que se suicidam sofrem de depressão na altura da sua morte e Portugal é o terceiro país europeu onde o suicídio mais aumentou nos últimos quinze anos (5 por dia). Assim, a depressão é um problema internacional de saúde pública que pode matar.
Na maior parte das vezes, a depressão tem na sua base uma vivência de abandono ou perda, que face a um determinado acontecimento de vi…