Avançar para o conteúdo principal

(Des)Conversas com adolescentes


Os pais e as mães por vezes queixam-se de que os/as filhos/as mudaram a sua forma de estar na relação com a família, estão distantes e a comunicação é difícil. Para os/as pais/mães é angustiante tentar dialogar e sentir que as respostas acontecem com pouca expressão, sentindo a ausência de vontade de comunicar.

É mais comum esta situação ocorrer com filhos adolescentes. Nesta fase de desenvolvimento, os adolescentes têm mais necessidade de um espaço próprio e, naturalmente, cresce a importância de permanecer mais tempo com quem possuí os mesmos interesses. Na maior parte das vezes, são os pares que têm este perfil identificativo e estas relações com pessoas que possuem ideias comuns é muito salutar para o crescimento psicológico do/a adolescente.

O/A adolescente vivencia, por vezes, esta etapa de desenvolvimento com instabilidade emocional e daí decorre diversas vezes depararmo-nos com mau humor, irresponsabilidade, rebeldia, impaciência e revolta.

Apesar de ser crucial respeitar e aceitar este processo de mudança, continua a ser essencial estar disponível, auscultando os ritmos do/a adolescente. Os/As pais/mães não devem forçar o diálogo, mas demonstrar que o laço de confiança pode permanecer, mesmo que os/as confidentes dos/as filhos/as já não sejam eles/as. Ou seja, a disponibilidade para uma escuta ativa no momento em que o/a seu/sua filho/a solicita esse apoio ou apenas esse instante de diálogo pode ser demasiado importante para adiar. Permita que o primeiro passo seja dado pelo/a adolescente.

Estar presente pode significar estar atento/a: partilhe o que sente relativamente ao seu trabalho ou outras atividades, mostre que confia no/a seu/sua filho/a para que seja mais facilitada uma troca de sentimentos, ideias, desafios ou problemas vivenciados.

O acompanhamento ao/à adolescente deve ser sempre presente, mas nada intrusivo. O adulto deve ser paciente e aguardar a necessidade, demonstrando a compreensão, a atenção, a existência de tempo para que o/a filho/a não hesite em caso de dúvidas ou simples partilhas de momentos.

Quando a família se sente preocupada com algum assunto, não é aconselhável esperar que o/a adolescente procure o adulto. Deve abordá-lo/a, evitando que as conversas sérias aconteçam perto de outros adultos amigos ou familiares. Em casos mais graves deve, mesmo assim, ouvir antes de acusar. Aprender a escutar é uma ferramenta essencial na relação entre adolescentes e adultos.

Se numa discussão com o/a seu/sua filho/a ele/a se exaltar, será mais eficaz adiar essa conversa para quando a calma estiver presente. Assim, evita aumentar a agressividade da troca de palavras que impulsivamente expressam. Retomar o diálogo quando a serenidade estiver construída levará a uma maior possibilidade de resolução da situação.

Os(as) pais/mães poderão mais facilmente estabelecer um diálogo equilibrado se tiverem em conta as doses de exigência, liberdade e afeto.

Não esquecer:
Uma boa relação com o/a adolescente começa no investimento relacional desde o nascimento, sem ultrapassar nenhuma etapa. A relação afetiva segura e estável precocemente promove a diminuição de dificuldades no período da adolescência.
http://www.psinove.com/a-equipa/sandra-helena



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Para onde vão os nossos silêncios quando deixamos de dizer aquilo que sentimos?

Os silêncios podem ter várias razões, podem servir para diversas ocasiões e, ainda, podem ter distintos significados. Em termos sociais, os silêncios são identificados como algo negativo, desconfortável, embaraçoso ou, ainda, desenquadrado.
Mas, todos eles têm uma razão de ser, que pode significar uma resposta externa ou interna ao meio, projetando o silêncio. Alguns são potenciados pelas nossas emoções, outros pela ausência delas e, outros mesmo, pela combinação dos dois. Dependerá, sempre, da forma como encaramos as situações e do impacto que as mesmas têm em nós. A forma como as nossas emoções forem tocadas dará sequência às diversas respostas que podemos dar.
Seja como for, os silêncios, quando deixamos de dizer aquilo que sentimos, vão para um lugar mais profundo, dentro de nós, onde se acumulam com outros silêncios de outros sentimentos e emoções guardados e, por isso, não vividos. Aqui, o seu significado é escondido, até que a necessidade de bem-estar invoque a resolução do senti…

As birras dos adultos

Quando pensamos na palavra birra, surgem-nos à mente reacções ou comportamentos exagerados, fora de contexto ou irracionais e que tendem a ser causados por um capricho pessoal, frustração ou contrariedade. São, afinal, comportamentos que tendem a quebrar a harmonia nas relações e são uma potencial fonte de problemas, se não forem bem geridos. Claro que uma birra todos podemos fazer, uma vez ou outra vez. Desde que seja apenas isso.

Associamos birras às crianças, é inevitável! A grande questão é que nós, adultos, também as fazemos e frequentemente. Neste texto, procuro explorar as birras nos adultos: o que as causa, de que forma se manifestam e o que temos a fazer nestes casos.

O primeiro passo é reconhecermos que as fazemos e quando as fazemos. Perante o outro mas, mais do que tudo, perante nós próprios. Dentro do conceito de birra, surgem tantas vezes comportamentos que nos levam a responsabilizar as outras pessoas e factores externos para comportamentos menos adequados (ou com pi…

Gosto de alguém com Perturbação de Personalidade Borderline... E agora?

A Perturbação de Personalidade Borderline é uma doença grave que conduz a uma visão “tudo ou nada” da realidade (totalmente boa ou má, oscilando entre um extremo e outro), à sensação crónica de vazio ou perda de identidade, com mudanças de humor extremas e rápidas. As pessoas com esta perturbação agem impulsivamente e o seu medo de abandono leva, muitas vezes, a que ajam em relação aos outros com excesso de crítica e culpabilização. Algumas pessoas com esta condição podem magoar-se propositadamente ou mesmo considerar o suicídio como opção para fugir a todo o sofrimento que vivenciam.
Geralmente, o mais complicado de compreender no comportamento das pessoas com Perturbação de Personalidade Borderline não é o “quê” mas sim o “porquê”. Esta questão é a que mais atormenta a família ou pessoas próximas que, apesar de conseguirem compreender os sintomas do problema, grande número de vezes, sentem dificuldade em compreender as razões que conduzem a pessoa com a perturbação a reagir como re…