Avançar para o conteúdo principal

(Des)Conversas com adolescentes


Os pais e as mães por vezes queixam-se de que os/as filhos/as mudaram a sua forma de estar na relação com a família, estão distantes e a comunicação é difícil. Para os/as pais/mães é angustiante tentar dialogar e sentir que as respostas acontecem com pouca expressão, sentindo a ausência de vontade de comunicar.

É mais comum esta situação ocorrer com filhos adolescentes. Nesta fase de desenvolvimento, os adolescentes têm mais necessidade de um espaço próprio e, naturalmente, cresce a importância de permanecer mais tempo com quem possuí os mesmos interesses. Na maior parte das vezes, são os pares que têm este perfil identificativo e estas relações com pessoas que possuem ideias comuns é muito salutar para o crescimento psicológico do/a adolescente.

O/A adolescente vivencia, por vezes, esta etapa de desenvolvimento com instabilidade emocional e daí decorre diversas vezes depararmo-nos com mau humor, irresponsabilidade, rebeldia, impaciência e revolta.

Apesar de ser crucial respeitar e aceitar este processo de mudança, continua a ser essencial estar disponível, auscultando os ritmos do/a adolescente. Os/As pais/mães não devem forçar o diálogo, mas demonstrar que o laço de confiança pode permanecer, mesmo que os/as confidentes dos/as filhos/as já não sejam eles/as. Ou seja, a disponibilidade para uma escuta ativa no momento em que o/a seu/sua filho/a solicita esse apoio ou apenas esse instante de diálogo pode ser demasiado importante para adiar. Permita que o primeiro passo seja dado pelo/a adolescente.

Estar presente pode significar estar atento/a: partilhe o que sente relativamente ao seu trabalho ou outras atividades, mostre que confia no/a seu/sua filho/a para que seja mais facilitada uma troca de sentimentos, ideias, desafios ou problemas vivenciados.

O acompanhamento ao/à adolescente deve ser sempre presente, mas nada intrusivo. O adulto deve ser paciente e aguardar a necessidade, demonstrando a compreensão, a atenção, a existência de tempo para que o/a filho/a não hesite em caso de dúvidas ou simples partilhas de momentos.

Quando a família se sente preocupada com algum assunto, não é aconselhável esperar que o/a adolescente procure o adulto. Deve abordá-lo/a, evitando que as conversas sérias aconteçam perto de outros adultos amigos ou familiares. Em casos mais graves deve, mesmo assim, ouvir antes de acusar. Aprender a escutar é uma ferramenta essencial na relação entre adolescentes e adultos.

Se numa discussão com o/a seu/sua filho/a ele/a se exaltar, será mais eficaz adiar essa conversa para quando a calma estiver presente. Assim, evita aumentar a agressividade da troca de palavras que impulsivamente expressam. Retomar o diálogo quando a serenidade estiver construída levará a uma maior possibilidade de resolução da situação.

Os(as) pais/mães poderão mais facilmente estabelecer um diálogo equilibrado se tiverem em conta as doses de exigência, liberdade e afeto.

Não esquecer:
Uma boa relação com o/a adolescente começa no investimento relacional desde o nascimento, sem ultrapassar nenhuma etapa. A relação afetiva segura e estável precocemente promove a diminuição de dificuldades no período da adolescência.
http://www.psinove.com/a-equipa/sandra-helena



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…

O poder da música

Música é emoção. E emoção é vida. A música faz parte integrante da nossa vida e acompanha grande parte das nossas memórias e vivências mais relevantes. Ela mexe tanto com as nossas emoções: desde o primeiro beijo àquele momento tão difícil. A sua capacidade de influenciar a nossa mente e o nosso corpo é imensa e tem sido entusiasticamente estudada. A título de exemplo, a música tem a capacidade de contribuir para baixar o stress, a depressão e até de promover interação social. A de qualidade, preferencialmente!
Os dias frenéticos que vivemos aceleram-nos de tal forma que não conseguimos parar, levando a que a hormona adrenalina (que nos prepara para lidar com perigos e desafios através do incremento de oxigénio nos músculos, do sangue para o coração e pulmões e que liberta glucose extra no organismo) e a cortisona (hormona que vai amplificar os efeitos da adrenalina, aumentando o açúcar no sangue e concentrando a energia, por exemplo, nos braços e pernas) disparam, colocando-nos no mod…

Depressão, "O Cancro da Tristeza*"

Portugal é o país europeu e o segundo do mundo com maior taxa de depressão na ordem dos 25%. Vários estudos afirmam que em 2020, a depressão será a 2ª causa de morte logo a seguir das patologias cardíacas. Um estudo recente publicado na revista Atheroscleroses chega mesmo a estabelecer uma nova ligação entre depressão e as patologias cardíacas, afirmando que o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, podendo mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão. Dois terços das pessoas que se suicidam sofrem de depressão na altura da sua morte e Portugal é o terceiro país europeu onde o suicídio mais aumentou nos últimos quinze anos (5 por dia). Assim, a depressão é um problema internacional de saúde pública que pode matar.
Na maior parte das vezes, a depressão tem na sua base uma vivência de abandono ou perda, que face a um determinado acontecimento de vi…