Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2017

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…

Silêncio em terapia

Em psicoterapia, a forma de intervenção e de promoção da mudança assenta, muitas vezes, no diálogo e na comunicação verbal. Mas, além das palavras, também o silêncio tem um papel importante na construção do processo terapêutico.

No início do percurso como psicólogo, a ideia de o silêncio ser parte integrante das sessões, pode parecer desafiante. Não se consegue antecipar como se vai gerir o “estar em silêncio” com alguém sentado diante de nós. Ao mesmo tempo, há o receio de que estar em silêncio seja consequência de não saber o que responder ao paciente como se, como terapeutas, tivéssemos de ter sempre uma resposta através das palavras.

Ao longo do caminho que fazemos com os pacientes durante as sessões, aprende-se que o silêncio pode ser uma resposta ou até a única resposta que o paciente necessita. Pode ser uma escolha e não significa que não poderíamos ter muitas palavras para responder. Escolher responder silêncio pode ser a forma mais respeitadora das necessidades do paciente, em …