Avançar para o conteúdo principal

A Perturbação Obsessivo-Compulsiva em Psicoterapia




"A incerteza dos acontecimentos, sempre mais difícil de suportar do que o próprio acontecimento."

                                     Jean Massillon





A perturbação obsessivo-compulsiva constitui-se como a 4ª perturbação psicológica com maior prevalência, afetando 1 em cada 40 adultos e apresentando 35% de probabilidade nas relações em primeiro grau.

O sofrimento que causa é tremendo, solitário e ainda pouco compreendido na nossa sociedade e tanto pode resultar de aspetos neurobiológicos (como o núcleo caudado não ser eficaz na transição entre pensamento e ação) como da história e contexto de vida (como mudanças, acidentes, conflitos e perdas precoces além de estilos parentais negligentes e/ou sem regras e limites) ou da combinação dos dois. Muitas pessoas que sofrem com ela sentem na pele o estigma que ainda existe em Portugal em relação às problemáticas da saúde mental

Em síntese, obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos recorrentes, intrusivos e persistentes causando elevados níveis de ansiedade e dúvida. Este tipo de conteúdos não são meras preocupações exageradas com problemas da vida “real” e são de tal forma desconfortáveis que a pessoa tenta neutralizá-los, suprimindo-os ou realizando alguma ação ou pensamento. As compulsões são comportamentos repetitivos (como organizar, lavar, verificar) ou atos mentais (como rezar, contar ou repetir palavras em silêncio) e que a pessoa sente como obrigatórios em resposta a obsessões ou regras previas e rigidamente definidas. Estas pretendem reduzir ou evitar o sofrimento mas também uma situação temida que poderá acontecer caso não sejam realizados (sem ligação com fatos reais). 

À medida que este ciclo se instala, a pessoa sente-se cada vez mais incapaz de se relacionar com as pessoas e com o mundo que a rodeia. Como se de uma prisão se tratasse.

As obsessões mais comuns são:

1) Contaminação
2) Dúvida permanente
3) Preocupações somáticas
4) Agressividade
5) Sexualidade

De igual modo, as compulsões mais comuns são:

1) Verificação
2) Lavagem
3) Contagem
4) Simetria e precisão

No entanto, não nos podemos esquecer do hoarding (acumulação), da tricotilomania (arrancar cabelos para reduzir a ansiedade), da cleptomania (tendência para a pessoa roubar) ou da piromania (prazer em provocar incêndios, queimar ou atear fogo) e onde o controlo de impulsos não está presente de forma adequada.

E quais os sinais de alerta?

1) Pensamentos intrusivos
2) Comportamentos “obrigatórios” sem razão aparente
3) Rituais
4) Dores de cabeça nas zonas orbitais
5) Insónias
6) Grande ativação fisiológica e ansiosa
7) Desconfiança e vinculação insegura
8) Dificuldade em estar no “aqui e agora”
9) Intolerância à incerteza

E como pode a Psicoterapia ajudar?

Sigo uma abordagem integrativa nos pacientes com perturbação obsessivo-compulsiva e que me leva adoptar diferentes modelos conforme as problemáticas e necessidades das pessoas, momento a momento. Assim, e para começar, a abordagem Cognitivo-comportamental apresenta resultados sustentados pela investigação e que está presente no processo psicoterapêutico através de:

1) Avaliação e psicoeducação do paciente e familiares
2) Inventário das obsessões e compulsões
3) Definição de Hierarquia de Exposição
4) Exposição e Prevenção de Resposta
5) Desafiar e corrigir pensamentos ligados à ansiedade
6) Prevenção da recaída

De igual modo, considero de grande utilidade o Modelo dos 4 Passos de base cognitivo-comportamental (também chamado de Brain Lock, criado pelo psiquiatra e especialista em neuroplasticidade Jeffrey Schwartz) e que se apresenta como extremamente útil ao permitir a aplicação de etapas concretas em sessão, e fora dela, para o paciente gerir as obsessões e compulsões, aumentando a sua sensação de controlo e facilitando alterações neurobiológicas que a imagiologia tem apoiado.

O Mindfulness é outra abordagem que vejo como eficaz na intervenção nesta perturbação ao ajudar o paciente a lidar com os seus pensamentos e comportamentos que surgem como obrigatórios e intensos, sem os reprimir. Na verdade, a repressão dos mesmos funciona como uma lupa para a ansiedade. O Mindfulness permite à pessoa observar sem agir e sem negar a sua experiência interior enquanto aumenta o seu nível de bem-estar global.

Finalmente, uma abordagem Sistémica fornece uma contributo decisivo ao permitir-nos identificar e experienciar o papel das experiências e papéis relacionais significativos para a origem e manutenção dos sintomas do paciente, entendendo os vários sistemas onde se encontrou e encontra e sem esquecer o cariz hereditário e vicariante que estes tipo de tendências pode acarretar. Realço aqui, e novamente, o papel primordial que os familiares podem desempenhar no processo psicoterapêutico e sempre em consonância com a decisão do paciente.

A Psicoterapia pode atingir 80% de eficácia nestes casos sendo que a psicofarmacologia é, muitas vezes, um bom auxiliar do trabalho psicoterapêutico. É assim possível contribuir para a regulação da pessoa e ajudá-la a sentir o bem-estar necessário para usufruir da sua vida, das pessoas de quem mais gosta e dos seus objetivos. Com liberdade!

                                                                                                                


                                                                           Psicólogo Clínico e Psicoterapeuta
Psinove - Inovamos a Psicologia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As birras dos adultos

Quando pensamos na palavra birra, surgem-nos à mente reacções ou comportamentos exagerados, fora de contexto ou irracionais e que tendem a ser causados por um capricho pessoal, frustração ou contrariedade. São, afinal, comportamentos que tendem a quebrar a harmonia nas relações e são uma potencial fonte de problemas, se não forem bem geridos. Claro que uma birra todos podemos fazer, uma vez ou outra vez. Desde que seja apenas isso.

Associamos birras às crianças, é inevitável! A grande questão é que nós, adultos, também as fazemos e frequentemente. Neste texto, procuro explorar as birras nos adultos: o que as causa, de que forma se manifestam e o que temos a fazer nestes casos.

O primeiro passo é reconhecermos que as fazemos e quando as fazemos. Perante o outro mas, mais do que tudo, perante nós próprios. Dentro do conceito de birra, surgem tantas vezes comportamentos que nos levam a responsabilizar as outras pessoas e factores externos para comportamentos menos adequados (ou com pi…

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…

Para onde vão os nossos silêncios quando deixamos de dizer aquilo que sentimos?

Os silêncios podem ter várias razões, podem servir para diversas ocasiões e, ainda, podem ter distintos significados. Em termos sociais, os silêncios são identificados como algo negativo, desconfortável, embaraçoso ou, ainda, desenquadrado.
Mas, todos eles têm uma razão de ser, que pode significar uma resposta externa ou interna ao meio, projetando o silêncio. Alguns são potenciados pelas nossas emoções, outros pela ausência delas e, outros mesmo, pela combinação dos dois. Dependerá, sempre, da forma como encaramos as situações e do impacto que as mesmas têm em nós. A forma como as nossas emoções forem tocadas dará sequência às diversas respostas que podemos dar.
Seja como for, os silêncios, quando deixamos de dizer aquilo que sentimos, vão para um lugar mais profundo, dentro de nós, onde se acumulam com outros silêncios de outros sentimentos e emoções guardados e, por isso, não vividos. Aqui, o seu significado é escondido, até que a necessidade de bem-estar invoque a resolução do senti…