Avançar para o conteúdo principal

A Perturbação Obsessivo-Compulsiva em Psicoterapia




"A incerteza dos acontecimentos, sempre mais difícil de suportar do que o próprio acontecimento."

                                     Jean Massillon





A perturbação obsessivo-compulsiva constitui-se como a 4ª perturbação psicológica com maior prevalência, afetando 1 em cada 40 adultos e apresentando 35% de probabilidade nas relações em primeiro grau.

O sofrimento que causa é tremendo, solitário e ainda pouco compreendido na nossa sociedade e tanto pode resultar de aspetos neurobiológicos (como o núcleo caudado não ser eficaz na transição entre pensamento e ação) como da história e contexto de vida (como mudanças, acidentes, conflitos e perdas precoces além de estilos parentais negligentes e/ou sem regras e limites) ou da combinação dos dois. Muitas pessoas que sofrem com ela sentem na pele o estigma que ainda existe em Portugal em relação às problemáticas da saúde mental

Em síntese, obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos recorrentes, intrusivos e persistentes causando elevados níveis de ansiedade e dúvida. Este tipo de conteúdos não são meras preocupações exageradas com problemas da vida “real” e são de tal forma desconfortáveis que a pessoa tenta neutralizá-los, suprimindo-os ou realizando alguma ação ou pensamento. As compulsões são comportamentos repetitivos (como organizar, lavar, verificar) ou atos mentais (como rezar, contar ou repetir palavras em silêncio) e que a pessoa sente como obrigatórios em resposta a obsessões ou regras previas e rigidamente definidas. Estas pretendem reduzir ou evitar o sofrimento mas também uma situação temida que poderá acontecer caso não sejam realizados (sem ligação com fatos reais). 

À medida que este ciclo se instala, a pessoa sente-se cada vez mais incapaz de se relacionar com as pessoas e com o mundo que a rodeia. Como se de uma prisão se tratasse.

As obsessões mais comuns são:

1) Contaminação
2) Dúvida permanente
3) Preocupações somáticas
4) Agressividade
5) Sexualidade

De igual modo, as compulsões mais comuns são:

1) Verificação
2) Lavagem
3) Contagem
4) Simetria e precisão

No entanto, não nos podemos esquecer do hoarding (acumulação), da tricotilomania (arrancar cabelos para reduzir a ansiedade), da cleptomania (tendência para a pessoa roubar) ou da piromania (prazer em provocar incêndios, queimar ou atear fogo) e onde o controlo de impulsos não está presente de forma adequada.

E quais os sinais de alerta?

1) Pensamentos intrusivos
2) Comportamentos “obrigatórios” sem razão aparente
3) Rituais
4) Dores de cabeça nas zonas orbitais
5) Insónias
6) Grande ativação fisiológica e ansiosa
7) Desconfiança e vinculação insegura
8) Dificuldade em estar no “aqui e agora”
9) Intolerância à incerteza

E como pode a Psicoterapia ajudar?

Sigo uma abordagem integrativa nos pacientes com perturbação obsessivo-compulsiva e que me leva adoptar diferentes modelos conforme as problemáticas e necessidades das pessoas, momento a momento. Assim, e para começar, a abordagem Cognitivo-comportamental apresenta resultados sustentados pela investigação e que está presente no processo psicoterapêutico através de:

1) Avaliação e psicoeducação do paciente e familiares
2) Inventário das obsessões e compulsões
3) Definição de Hierarquia de Exposição
4) Exposição e Prevenção de Resposta
5) Desafiar e corrigir pensamentos ligados à ansiedade
6) Prevenção da recaída

De igual modo, considero de grande utilidade o Modelo dos 4 Passos de base cognitivo-comportamental (também chamado de Brain Lock, criado pelo psiquiatra e especialista em neuroplasticidade Jeffrey Schwartz) e que se apresenta como extremamente útil ao permitir a aplicação de etapas concretas em sessão, e fora dela, para o paciente gerir as obsessões e compulsões, aumentando a sua sensação de controlo e facilitando alterações neurobiológicas que a imagiologia tem apoiado.

O Mindfulness é outra abordagem que vejo como eficaz na intervenção nesta perturbação ao ajudar o paciente a lidar com os seus pensamentos e comportamentos que surgem como obrigatórios e intensos, sem os reprimir. Na verdade, a repressão dos mesmos funciona como uma lupa para a ansiedade. O Mindfulness permite à pessoa observar sem agir e sem negar a sua experiência interior enquanto aumenta o seu nível de bem-estar global.

Finalmente, uma abordagem Sistémica fornece uma contributo decisivo ao permitir-nos identificar e experienciar o papel das experiências e papéis relacionais significativos para a origem e manutenção dos sintomas do paciente, entendendo os vários sistemas onde se encontrou e encontra e sem esquecer o cariz hereditário e vicariante que estes tipo de tendências pode acarretar. Realço aqui, e novamente, o papel primordial que os familiares podem desempenhar no processo psicoterapêutico e sempre em consonância com a decisão do paciente.

A Psicoterapia pode atingir 80% de eficácia nestes casos sendo que a psicofarmacologia é, muitas vezes, um bom auxiliar do trabalho psicoterapêutico. É assim possível contribuir para a regulação da pessoa e ajudá-la a sentir o bem-estar necessário para usufruir da sua vida, das pessoas de quem mais gosta e dos seus objetivos. Com liberdade!

                                                                                                                


                                                                           Psicólogo Clínico e Psicoterapeuta
Psinove - Inovamos a Psicologia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Perturbação Borderline

Ainda agora acordei e já sei que o dia vai ser uma seca. Esta sensação de nada, de vazio, irrita-me a um ponto que me torno agressiva com as coisas mais insignificantes. As pessoas chateiam-me, a vida dá-me raiva e não consigo pensar em mais nada senão na intensidade desta zanga imensa, que me aperta por dentro, deixando tudo vazio. Morto.

É provável que já tenha passado mais do que uma hora desde que me deitei neste sofá e me deixei ficar, perdida de mim, perdida de pensamentos lógicos. É só sentir. Sinto demasiado o nada dentro de mim. Os cigarros sucedem-se criando um enjoo que só incentiva a minha letargia. Há uma réstia de lógica dentro de mim que tenta atingir-me, dizendo-me que tudo melhoraria se eu comesse alguma coisa, se não continuasse a fumar em jejum, se tomasse banho e vestisse uma roupa fresca. Mas esta miséria agarra-se-me à existência e não encontro a luz que consiga iluminar o caminho daqui para fora. Fico.

O aborrecimento está quase a matar-me e a infelicidade disso…

O poder da música

Música é emoção. E emoção é vida. A música faz parte integrante da nossa vida e acompanha grande parte das nossas memórias e vivências mais relevantes. Ela mexe tanto com as nossas emoções: desde o primeiro beijo àquele momento tão difícil. A sua capacidade de influenciar a nossa mente e o nosso corpo é imensa e tem sido entusiasticamente estudada. A título de exemplo, a música tem a capacidade de contribuir para baixar o stress, a depressão e até de promover interação social. A de qualidade, preferencialmente!
Os dias frenéticos que vivemos aceleram-nos de tal forma que não conseguimos parar, levando a que a hormona adrenalina (que nos prepara para lidar com perigos e desafios através do incremento de oxigénio nos músculos, do sangue para o coração e pulmões e que liberta glucose extra no organismo) e a cortisona (hormona que vai amplificar os efeitos da adrenalina, aumentando o açúcar no sangue e concentrando a energia, por exemplo, nos braços e pernas) disparam, colocando-nos no mod…

Gosto de alguém com Perturbação de Personalidade Borderline. E agora?

A Perturbação de Personalidade Borderline é uma doença grave que conduz a uma visão “tudo ou nada” da realidade (totalmente boa ou má, oscilando entre um extremo e outro), à sensação crónica de vazio ou perda de identidade, com mudanças de humor extremas e rápidas. As pessoas com esta perturbação agem impulsivamente e o seu medo de abandono leva, muitas vezes, a que ajam em relação aos outros com excesso de crítica e culpabilização. Algumas pessoas com esta condição podem magoar-se propositadamente ou mesmo considerar o suicídio como opção para fugir a todo o sofrimento que vivenciam.
Geralmente, o mais complicado de compreender no comportamento das pessoas com Perturbação de Personalidade Borderline não é o “quê” mas sim o “porquê”. Esta questão é a que mais atormenta a família ou pessoas próximas que, apesar de conseguirem compreender os sintomas do problema, grande número de vezes, sentem dificuldade em compreender as razões que conduzem a pessoa com a perturbação a reagir como re…