Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Plataformas de encontros: E porque não?

Um estudo de 2017 mostra que nas gerações de pessoas entre os 20 e 30 anos, a maior parte dos casais conheceu-se online. Apesar destes dados serem norte americanos, também em Portugal é cada vez mais frequente esta realidade. Depois de se conhecerem, o que acontece é que descobrem quais os amigos reais em comum e o mais provável é existirem vários. E são também os mais novos que falam com maior naturalidade sobre este assunto.
Investigação crescente mostra que as relações iniciadas online têm uma probabilidade ligeiramente maior de sucesso comparativamente com aquelas em que as pessoas se conhecem por outros meios. Outros estudos mostram que é equivalente, mas o que nenhum mostra é que o sucesso é menor. A vantagem, a existir, parece estar na maior abertura com que as pessoas falam delas próprias e do que procuram numa relação quando estão atrás de um ecrã, percebendo mais rapidamente se existe interesse mútuo.
É entre as gerações mais velhas que os preconceitos e a vergonha de assu…
Mensagens recentes

Gosto de alguém com personalidade borderline... e é o meu irmão

“Resolvi visitar a minha cunhada, sobrinhas e irmão com personalidade borderline. Há muito tempo que não o via por causa das suas características, mas como ia passar por perto, achei que devia fazê-lo. Quando comentei o facto de não falarmos há muito tempo, ele começou a gritar comigo, dizendo que nunca me preocupo com ele, que os nossos pais gostavam mais de mim – o que não acho que seja verdade, mas sim que ele lhes causou um grande sofrimento. Ele continuava a discutir e eu não pude fazer nada porque estávamos dentro do carro. Ele ia dizendo que todos esperávamos que ele fosse médico e não um mero técnico de saúde. Depois, vindo do nada, começou a acusar-me de dizer ao fotógrafo do meu casamento (em 1994!) para não lhe tirar fotografias.”
Rochelle, in Stop walking on eggshells workbook

As relações entre irmãos nem sempre são isentas de conflitos ou mágoas, resultantes do processo de crescer e de nos tornarmos pessoas progressivamente mais diferenciadas. Quando a esta complexidade …

Voltar atrás a cada momento

Hoje, quero partilhar convosco uma das passagens literárias que mais me tocou, retirada de um livro que me trouxe muito. Trata-se de um excerto do livro “Eu, Yalom: memórias de um psicoterapeuta”, de Irvin D. Yalom, um psicoterapeuta brilhante que escreve, neste livro, as suas memórias enquanto profissional e, sobretudo, enquanto pessoa que está na base desse profissional. Esta passagem que vos trago mostra a sua reflexão sobre um outro pensamento:
"«Pois, à medida que me aproximo mais e mais do fim, viajo num círculo cada vez mais próximo do início. Parece ser um dos tipos de planos e preparativos do caminho. O meu coração é tocado, agora, por muitas recordações que há muito tinham adormecido…»

Essa passagem comove-me tremendamente: de facto, à medida que me aproximo do fim, também eu me vejo a regressar cada vez mais ao início. As memórias dos meus clientes desencadeiam com uma frequência cada vez maior as minhas, o meu trabalho acerca do seu futuro invoca e perturba o meu p…

Os perigos da Internet… Como ajudar os seus filhos!

A Internet veio para ficar... E com ela cresce a facilidade de comunicar, quer seja através de chats (grupos online de conversação), vídeos, imagens, jogos ou redes sociais.
A sua constante procura e utilização por parte dos adolescentes representa uma busca pela autonomia e crescimento. Surgem os grupos de conversa no Whatsapp, os pedidos de amizade no Facebook e no Instagram ou os jogos online que partilham entre amigos e/ou desconhecidos, permitindo aos jovens, de uma forma muito rápida, criar grupos de amigos onde o contacto é rápido e permanente.

Para pais, educadores ou qualquer adulto que esteja responsável pela educação de um adolescente, é importante que, além de saberem como é utilizado um telemóvel ou um computador, saibam como funciona a Internet e o que representa para os adolescentes para que possam estabelecer uma boa relação e comunicação com eles.

Os perigos na Internet são reais e, ultimamente, muitos têm sido os jogos ou desafios online que têm surgido como o “B…

A nossa família: Qual é o seu papel na construção da identidade na infância?

Única e insubstituível, a Família é o primeiro lugar onde a criança aprende a relacionar-se com os outros, a partilhar, a amar e a sentir-se amada. O primeiro lugar onde aprende limites, respeitando o outro e o seu espaço mas também onde aprende a respeitar-se a si própria.
No longo processo que é a identidade, que surge a partir do momento em que é dado à criança o seu nome tornando-a única, a família apresenta-se como protagonista nos primeiros anos de vida da criança, pois é esta que ensina valores e regras sociais, onde a criança busca inspiração e na qual se baseia para percorrer e construir o seu percurso ao longo da sua vida.

Podemos, assim, apelidar a família de primeiro grupo de referência e socialização. São aprendidos comportamentos, hábitos, atitudes e conceitos e modos de se relacionar, os quais a criança irá replicar nas suas interacções futuras enquanto adolescente e adulto.

A criança, na sua interacção com os diferentes elementos da família, passa por um processo d…

A Crítica e o Elogio na nossa vida: parte I – a Crítica

Tanto o elogio como a crítica têm um papel importante nas nossas relações, papéis e actividades diárias. Porém, muitas pessoas não usam estes comportamentos de forma flexível e ajustada ao momento presente. Muitas delas, não tiveram modelos parentais que lhes ensinassem a elogiar e a criticar de forma saudável e promotora do crescimento. Este primeiro texto assenta sobre o poder da crítica e o seguinte será sobre o elogio.

A crítica, em demasia, tem uma influência negativa no desenvolvimento e manutenção da auto-estima. Tornamo-nos híper conscientes a respeito dos nossos supostos “defeitos”, incapacidades e limitações. Esta perspectiva tende a prejudicar quem somos, como nos relacionamos com os outros e que fazemos. Física e psicologicamente, temos a sensação que não somos bons o suficiente. Que somos diferentes. Que somos menos do que os outros. E se pensar na minha prática clínica, a crítica exagerada pode contribuir para pessoas ansiosas, depressivas, com perturbações alimentares…

A Importância Psicológica da Leitura e da Escrita

Sabemos hoje que a leitura e a escrita são das aprendizagens mais importantes e completas para o Ser Humano. Além da óbvia aprendizagem de uma forma completa e aprofundada de comunicar, a leitura e a escrita permitem-nos desenvolver a motricidade fina superior, a percepção visual-espacial, a criatividade, a atenção focada, a memória, o raciocínio lógico, entre outras componentes psicológicas.
Ler é das poucas aprendizagens que não podem ser esquecidas. Isto acontece pois o cérebro lê de forma involuntária, como se fosse obrigado a ler o que lhe aparece à frente, estando, assim, sempre activo para ler.
Já a escrita deve ser trabalhada, incentivada e treinada. Os vários tipos de letra indicam, muitas vezes, a postura de cada um face à tarefa. Um tipo de letra mais desleixado e atabalhoado pode significar desmotivação ou desinteresse, enquanto um tipo de letra mais cuidado, mais fácil de ler, apontará para uma tarefa que está a ser realizada com atenção e afinco.
Das mais importantes c…

Gosto de alguém com personalidade borderline... e é a minha mãe

“Durante muitos anos aprendi a não contrariar a minha mãe quando está de mau humor – especialmente se esteve a beber. Torna-se argumentativa por assuntos sem importância e tenta atribuir tudo a mim. Eu nunca digo nada, porque o que quer que diga, está sempre tudo errado. Se ela me pergunta algo, eu digo apenas “Não sei”. Apesar de ter trinta e três anos, lembro-me do dia em que descobri que podia simplesmente responder “Não sei” (tinha onze anos) e que isso resultava para que se calasse. Naquela altura, achava que todas as mães agiam assim.” Gail, in Stop walking on eggshells workbook
Crescer com um pai ou uma mãe com Perturbação de Personalidade Borderline causará, quase indubitavelmente, algumas especificidades, por exemplo, na forma como se constroem as relações e na confiança ou tranquilidade com que se encara o mundo.

Nas fases mais precoces da vida dos indivíduos, as necessidades mais preponderantes são as necessidades fisiológicas e as de segurança. A consistência e o afect…

A arte de saber desejar

Existir sempre veio acompanhado de desejar. Desejamos desde que somos, vemos e sonhamos. O desejo é o motor de muito do que conquistamos e, ao mesmo tempo, do sofrimento que acompanha as nossas perdas e falhanços.

Gil Fronsdal, professor no Insight Meditation Center, faz uma distinção curiosa entre o desejo que traz felicidade e o desejo que traz dor. Define o desejo como um espectro, que vai de um extremo menos positivo – craving (ânsia) – a um mais positivo e saudável – aspiration (aspiração).

Se pensarmos em termos psicológicos, facilmente se compreende de que forma o desejo enquanto ânsia pode estar na base do sofrimento que por vezes nos envolve. É um desejo cristalizado, que causa pressão, auto-crítica e ansiedade. É mais flagrante em crenças de cariz negativo, os “devias”: devia ser capaz de ter 20 à cadeira x, devia ser perfeito em tudo o que faço, devia estar à altura de todos os desafios, devia não precisar de ajuda. Guiados por ânsias, é difícil que tomemos decisões acer…

Adolescência vs. Profissão: O que quero ser no futuro?

O que devo fazer no futuro?  Será esta profissão a certa para mim?
Irá esta profissão garantir um bom futuro?

Estas são perguntas frequentes no momento de tomar a decisão quanto à escolha da profissão. Por trás desta escolha, existe um jovem adolescente na sua fase de maior desenvolvimento, onde existem preocupações relativamente aos pares, à família, à sociedade e a tudo aquilo que o rodeia. Não é uma tarefa fácil e é exigida ao jovem que a tome, numa fase em que a ansiedade e o medo de errar são vividos com maior intensidade.
A sociedade e os desejos da própria família são apenas mais um ingrediente a juntar à dificuldade que representa a escolha da profissão, pelo que o suporte daqueles que rodeiam o adolescente é fundamental para dar resposta às suas dúvidas, tornando o processo de tomada de decisão o mais fácil possível.

Escolher a profissão deverá ser uma decisão que tenha por base os gostos do adolescente, as suas aptidões quer a nível intelectual quer a nível físico e os se…